Ceará para americano ver

domingo, 19 de outubro de 2008

Medicina popular nordestina

A Medicina Popular e Alguns Remédios Populares - É uma página da internet onde consta a relação de vários remédios e tratamentos populares realizados especialmente na população nordestina. Veja alguns, muito curiosos por certo:
AMEBA. Tomar, durante trinta dias, em jejum, um copo de água fria com três gotas de creolina.
ASMA. 1) Tomar chá feito com enxerto-de-passarinho. 2) fumar um cigarro feito com folhas secas de zabumba. 3) comer testículos de porco assados e sevidos sem sal. 4) Tomar fel de boi misturado com um pouco de cachaça. 5) Tomar chá feito com o chocalho da cobra cascavel. 6) Tomar chá de "olho" que tem na pena do pavão.
AZIA. Beber um copo d`água no qual foram colocados três pitadas de cinza fria.
BICHO-DE-PË. Depois de retirado o bicho-de-pé, com auxilio de um alfinete, encher a cavidade com sarro de cachimbo.
GALO. Quando o sapato é novo, o calo é uma certeza: 1) colocar sobre o calo cera-de-ouvido. 2) Pingar no calo cera de aveloz.
CATAPORA. Para a catapora acabar de sair ou sair ainda mais depressa, nada como tomar chá feito de cabelo-de-milho sem açucar.
CACHUMBA. Aplica-se, no local, um emplasto feito com lodo de carregar água da cacimba.
DEDO, PÉ ou BRAÇO DESMENTIDOS. Dar uma surra no lugar afetado com um saquinho de sal grosso.
DESMAIO. 1) Passar, dentro do começo do nariz da pessoa desmaiada, uma pena de galinha até a pessoa voltar a si. 2) Soprar nos ouvidos e bater na sola dos pés a pessoa tornar, volta a si.
DOENÇA-DOS-OLHOS. 1) Pingar, no olho doente, algumas gotas de leite materno. 2) Banhar os olhos com água onde se pôs uma rosa branca.
DOR-DE-BARRIGA. 1) Tomar chá feito com a moela de galinha, crua. 2) Comer uma banana prata verdosa. 3) Comer um pedaço de macaxeira branca, crua.
DOR-DE-CABEÇA. Colocar, sobre a testa, uma mistura feita com pó de café e manteiga.
DOR-DE-DENTE 1) Introduzir na cárie, se couber, uma cabeça de fósforo. 2) Encher a cárie com o pó feito de chocalho da cobra cascavel. 3) Encher a cárie com sarro de cachimbo.
DOR-DE-GARGANTA. Comer tanajura torrada, se for tempo de tanajura.
DOR-DE-OUVIDO. Botar, no ouvido que estiver doendo três gotas de leite materno.
ENJÔO-DE-GRAVIDEZ. Comer pombo bem assado, sem sal.
ENJÔO-DE-VIAGEM-DE-AUTOMÓVEL 1) Colocar uma castanha de caju no bolso, se for homem, ou na bolsa, se for mulher. 2) Mascar uma cabeça de fósforo.
ERISIPELA. Amarrar, no tornozelo, urna fita vermelha.
FURÚNCULO. Para o furúnculo estourar, por si só, nada com colocar no "olho" da cabeça-de-prego, um emplastro feito com o couro do bacalhau, cru.
GALO-NA-CABEÇA. Quando se leva uma pancada na cabeça e aparece um "galo" nada como fazer, sobre ele, forte pressão com a folha de uma faca fria.
HEMORRAGIA. Colocar, no local da hemorragia externa, para parar o sangue, um chumaço de algodão embebido em verniz de carpinteiro.
BEMORRAGIA-NASAL. Molhar a cabeça em água fria e ficar olhando para o céu durante cinco minutos.
HEMORROIDAS. 1) Sentar num pedaço de tronco de bananeira recém-cortado. 2) Colocar uma pela de fumo no local. 3) Colocar compressas de querosene.
HIDROCELE ou ÁGUA-NAS-PARTES. Ferver a água necessária para quase encher uma bacia de tamanho médio em que se tenha colocada uma caixa de charutos vazia, para que o doente se acocore e possa tomar banho do vapor.
IMPINGEM. 1) É bom cobrir a impingem com tinta de escrever. 2) Esfregar a impingem com pólvora de caçador.
INDIGESTÃO. Chá feito com a pele que envolve a moela de uma galinha, crua.
JÁ-COMEÇA ou COCEIRA. Tomar banho com o cozimento de maxixes, sem camê-los.
LOMBRIGA. Comer coco seco raspado, em jejum até aborrecer.
MAL-DOS-SETE-COUROS. Passar, no local, sebo de carne-do-ceará, bem quente.
MIJAR-NA-CAMA. Nada como dar umas capadas na criança com um muçu vivo.
MORDIDA-DE-COBRA. Tomar meia garrafa de querosene e comer um prato de farofa com bacalhau assado na brasa.
MULHER-MANINHA. Para que a mulher venha a ter filhos: 1) Tomar água antes de ter relações sexuais. 2) Dar ao marido, todo dia, no almoço, carne de carneiro preto, com um copo de vinho.
PANOS-BRANCOS. Lavar o rosto ou a parte afetada pelos panos brancos, com água da chuva caída na hora.
PRISÃO-DE-VENTRE. Tomar chá de cupim.
QUEDA-DE-CABELO. Pentear os cabelos com um pente feito de chumbo.
SOLUÇO. Pregar um susto à pessoa que estiver com soluço.
TERÇOL. 1) Engolir nove caroços de limão durante três dias seguidos. 2) Esfregar, no chão, a semente de olho-de-boi e depois colocá-la sobre o olho onde está localizado o terçol.
TRIPA-DE-FORA (Prolapso do reto). Sentar a pessoa acometida do mal em um pedaço de tronco de bananeira cortado na hora.
UMBIGO-CRESCIDO-DE-RECÉM-NASCIDO. Chá de cabelo-de-milho.
URINA-PRESA. Fazer um chá do talo do jerimum, seco e torrado. 2) Chá de alpiste.
É assim que o nordestino pobre procura, quando está doente, ficar bom para que possa cuidar do seu roçado, do seu trabalho. É assim que o imaginário popular sempre caminhou, de mãos dadas com o sonho da saúde e da cura.

Um comentário: